tempo, este brincalhão

2009,fevereiro17,terça-feira às 10:50AM | Publicado em bobajada, joão-lírico | 5 Comentários
Tags: , , , , , ,

HÁ 20 ANOS ATRÁS

Os homens digladiavam com os dinossauros.
Ah 1500, parece que foi ontem!
Vocês não sabem de nada, geração internet 2.0.
Geração 2.0, 16v, hi-flex c/ ar condicionado.
Brontossauro não têm nem ventilação – são conversíveis.
E quando ele vai tirar moscas com a cauda é um perigo.

E os tweets dele passam sempre de 140 caracteres.
Os teclados já eram estes (ou os mesmos), nada de letras gigantes em pedras.

Mas meu brontossauro não está para pseudopiadas com pseudometáforas de internet.
Aliás, meu brontossauro – são comestíveis – está num tiranossauro.
E estes não podem nem usarem da masturbação.
Ah, 1500!

Anúncios

{[(♥)]}

2009,fevereiro16,segunda-feira às 11:26PM | Publicado em alt+3 ou ♥, hojes, joão-lírico | 3 Comentários
Tags: , , , , , , , , , , , , , ,

{[(i♥u)]}
[(i♥u)]
(i♥u)
i♥u

{[( )]} / courage
i♥u / courage

?

2009,janeiro29,quinta-feira às 10:53PM | Publicado em joão-lírico | Deixe um comentário
Tags: , , , , , , ,

?

harém

2009,janeiro21,quarta-feira às 2:21PM | Publicado em joão-lírico | Deixe um comentário
Tags: , , , , , ,

harem

A África A Ásia A Europa A América A Oceania O Oceano

ao acaso o acaso

2009,janeiro5,segunda-feira às 4:10PM | Publicado em alt+3 ou ♥, joão-lírico | 3 Comentários
Tags: , , , , , , , ,


o
a
caso
tem
um
caso
de
amor
com
o
amor

ser favorito

2008,dezembro12,sexta-feira às 9:45AM | Publicado em alt+3 ou ♥, joão-lírico | 2 Comentários
Tags: , , , , , , , , , , , ,

Uma nuvem. Se pequena, nuvenzita.
Um barco, se pequeno, barquito.
Se for por pouco, e o pouco o for por pouco, um pouquito.
Uns favores da natureza:
existir tigres, existir plátanos, existir coisas sapientes, existir etc.
Mas um num pequeno pedaço – pedacito, portanto –
é que o é por o ser.
O caso, então, é ser um pequeno favor,
ser favorito.

 

alguam caixa alta

2008,dezembro9,terça-feira às 10:25AM | Publicado em hojes, joão-lírico | Deixe um comentário
Tags: , , , , , , , , , , ,

A courier new é uma das poucas letras que não parece estar gritando enquanto caps lock. Veja você mesmo:

ESCREVE ALGUMA COISA COM COURIER NEW EM MAIÚSCULAS

Isso que é elegância.
Vide vós por exemplo a grosseria da Arial:

ESCREVE ALGUAM COISA EM ARIAL MAIÚSCULA

Ou da tradicional Times New Roman:

ESCREVE ALGUAM COISA COM TIMES NEW ROMAN EM MAIÚSCULAS

Aliás, a Times New Roman fica se achando Latim quando assim caixa alta.

Aliás, eu escrevi alguam em vez de alguma e colei nalguns exemplos.

alt + 3

2008,dezembro5,sexta-feira às 1:42PM | Publicado em alt+3 ou ♥, joão-lírico | 4 Comentários
Tags: , , , , , , , , , ,

copia-de-courage1

<courage>♥</courage> <coragem>♥</coragem>

mochila, homem, boné: esboços

2008,novembro21,sexta-feira às 2:46PM | Publicado em joão-lírico | Deixe um comentário
Tags: , ,

“Nossas mochilas, como pára-quedas fechados/ Em nossas costas, abrem de noite […]”
Y. Amichai
t – Millor F.

endereço: mundo
– – – – – – – –
homem põe a mochila nas costas e viaja:
ele é como a tartaruga; seu casco, sua casa.

endereço: onde
– – – – – – –
um cara de boné conversa com uma moça de saia. um sim aparece nele. um não desaparece nela.
sabemos que a única palavra à altura do sim é o não. o sim não tem não pela frente. está sem nenhum não que não o faça ser sim.

ela dá tchau. cada um volta para sua casa. ele tira o boné e o sim não está no boné.
ela muda de roupa: continua sem não. e o não não está na saia. onde está o não?
ele, mudo, de roupa: acha o sim e o não.

endereço: dentro
– – – – – – – –
Se você pensar o dia inteiro numa coisa, um problema, uma idéia, uma declaração de amor e não escrever, não falar, não agir, não adianta tirar o boné, isso vai continuar na sua cabeça.

“Um certo dia, porém, encontrou uma tartaruga chamada Boné […] Uma história que dizia 100% algodão. 100% algodão… 100% algodão… a tartaruga ficou repetindo, com o olhar perdido. Que bonito era aquilo.”
Rita

Rascunhos. Ainda falta, mas a mídia 2.0 puxou pelos olhos da ansiedade, mas tem o nariz do work in progress. Mas tem muita coisa já nas gavetas, bolsos, post-its espalhados pelo quarto, panfleto no meio de uma agenda do ano retrasado.

2008,novembro1,sábado às 6:02PM | Publicado em joão-lírico | Deixe um comentário
Tags: , , , ,

De 0 a 9 são 10 os números de 1 algarismo.

0 + 9 = 9; 9 + 10 = 19; 19 + 1 = 20.

De 0 a 20 são 21 os algarismo. Mas apenas 10 os de 1 algarismo. Os de 2 algarismo são 11, portanto 10 + 1.

Os números de três algarismos são 0 se for de 0 a 20. De 0 a 99 o mesmo. Mas de 0 a 100 temos o 100. Que é, por sua vez, 99 + 1, mas nem todo número – e eu diria a maioria deles, para piorar – de 2 algarismos mais 1 outro de 1 algarismo dá um de 3 algarismos.

As palavras representam, mas os números também não são exatamente santos.

pedra nº 1

2008,outubro28,terça-feira às 10:21AM | Publicado em joão-lírico | Deixe um comentário
Tags: , , , , ,

Pedra nº1
———

Se fodemos.
Agora não dá mais.
Já atiraram a primeira pedra.

vnt ´rvrs

2008,outubro25,sábado às 11:40AM | Publicado em joão-lírico | 1 Comentário
Tags: , , , ,

o vento uiva árvores o reverenciam para o lado errado o vento uiva árvores curvam-se para o outro lado o vento é forte as árvores se ajoelham mas para o outro lado o vento é foda mas as ávores não estão nem aí

ex-silêncio

2008,outubro16,quinta-feira às 1:41AM | Publicado em joão-lírico | 4 Comentários
Tags: , , , , , , , , ,

v. i
<silence v. vi> [...]

v. ii (minha favorita, caso eu tivesse uma sinceramente)
<silence v. ii> [OI, HI]

v. iii
<silence v. v> [OI, HI]

v. iv
<silence v. iv> [OI, HI]

v. v
<silence v. i> [OI, HI]

v. iv
<silence v. iii> [OI, HI]

vêsvez

2008,outubro16,quinta-feira às 1:40AM | Publicado em joão-lírico | 5 Comentários
Tags: , , , , , ,

vêsvez

vês vide ver o que tem de ser feito
para após avaliar o que não
e dá para fazer
ali tem galho
ali, pepino
aqui, batata quente
lá, bomba

a idéia é sorrir
sem falar no|s problem|as
ou chorar, quando só se |um normal, mais: um não-idiota|
teria motivo para rir
e voltar ao normal |mais: idiotão|
ficar quieto
abastada merda (
rir para caralho dessa vida dos bostas (esse final está meio gratuito)

você vem o tempo todo a 140 km/h pela castelo branco
aí faz a média e ela foi de somente 100 e poucos e você não
ficou nem meia hora no trajeto
(daí já se pensa no que se pode fazer com traje/ trajeto, sim-idiota (risos))
então nem 100 km nem 1h a cem quilômetros por hora

há 100 quilômetros numa hora,
o traje do trajeto foi esse,
não importa a parte que você usou

uma parte da palavra panthera significa besta
imagina topar com um tigre no meio da noite e da selva?
já se sabe seu tamanho, seus hábitos,
sua reação alaranjada à luz,

o conhecimento nos fez desconhecer

o mundo é grande p/ burro e tem muita coisa que não conhecemos
o mundo é o nosso mundo porque é o mundo que a gente conhece, então sair do nosso mundo e conhecer uma coisa é como conhecer um mundo novo
durante os segundos (nem isso – aquele risco que divide o 1 do 2 na régua)
em que aquilo ainda não agrega o nosso velho mundo
conquistado, porquanto você já verá este filme.

a gente é grande p/ caralho porque a gente é do tamanho do nosso mundo, que é
o mundo que conhecemos, que é assim todo o mundo ou todo mundo,
então a gente é do tamanho do mundo que é grande p/ burro
o que é uma destinação – para o burro – e a gente do tamanho do burro
– para a gente –
que é para a gente explorar como burros, ou seja, como se visse pela 1ª vez
ou bestas vistas pela 1ª vez

O caralho do burro é grande p/ burro ou p/ caralho?

round 1: não wins.

2008,outubro8,quarta-feira às 8:33PM | Publicado em joão-lírico | 8 Comentários
Tags: , , , , , , , , , , ,
RESULTADOS
código genético:
2.750.000.000 de resultados “google” na busca do google
galvão vai à loucura:
brasil 553.000.000 vs. 453.000.000 argentina
independência ou morte, ou go home, yankees:
brasil 553.000.000 vs. 311.000.000 brazil

(a partir daqui, em milhares)
“tenho de” 1.900 vs. 4.610 “tenho que”
“a nível de” 5.150
“bastantes” 7.120
quatorze 3.190 vs. 656 catorze
sol 246.000 vs. 1.230.000 mar

o mundo anda realmente gastando energia demais ou
o mundo é hoje um lugar melhor para se viver:
luz 132.000 / escuro 5.690
amor 255.000 / sexo 119.000
23.700 poetas para 7.600 engenheiros
o mundo é um lugar romântico.

homem 43.400 mulher 51.600

[v. 006]
HÁ 2.510.000.000 DE RESULTADOS “GOOGLE” NA BUSCA DO GOOGLE (CÓDIGO GENÉTICO)
BRASIL 198.000.000 VS. 510.000.000 ARGENTINA
BRASIL 198.000.000 VS. 582.000.000 BRAZIL
(A PARTIR DAQUI EM MILHARES)
“TENHO DE” – 1.260.000 VS. “TENHO QUE” – 2.590
“A NÍVEL DE” 4.080
“BASTANTES” 2.140
QUATORZE – 847; CATORZE – 4.860
SOL 165.000 VS. 1.300.000 MAR
O MUNDO ANDA REALMENTE GASTANDO ENERGIA DEMAIS OU
O MUNDO É HOJE UM LUGAR MELHOR PARA SE VIVER:
LUZ 58.500 E ESCURO 1.840
AMOR 71.200 SEXO 42.300
14.700 POETAS PARA 2.400 ENGENHEIROS
O MUNDO É UM LUGAR ROMÂNTICO
HOMEM 20.200 MULHER 17.400
A – 12.110.000 O – 4.310.000: A VINGANÇA DAS MULHERES

Notas: mulher virou o jogo para cima de homem.
Catorze há dois anos era maior que quatorze.
O mar diminui de um tempo para cá.
Bastantes cresceu muito – a língua culta ganha espaço.

Outros resultados (claro que os acentos são desprezados e outras particularidades beneficiam algumas palavras, mas guerra é guerra)
(ainda em milhares):
foto 1.380.000
desenho 14.700
pintura 58.100
vídeo 3.440.000
musica 440.000
samba 57.700
dinheiro 40.000
felicidade 16.000
mãe 87.300
pai 58.500

O clássico do ano (ñ mais milhares):

(falta experiência aos Nardonis)
Um clássico de sempre:

E o maior clássico:

Não wins;SIM 226.000.000
NÃO 436.000.000 Nardoni 549.000 RICHthofen 779.000 Recordar é viver 196.000 Quem vive de passado é museu 59,500

wuzzles

2008,outubro2,quinta-feira às 7:57PM | Publicado em joão-lírico | 2 Comentários
Tags: , , , , ,
aglutinar as palavras jovem e ejacular (glúteos, aglutinar).
você é aquilo que come: estâmago.
ou como catástrofe e catarse ou catastrófica e catártico aglutinados não são catarsófricos,
do tipo toluço (tosse com soluço), ou Rinocaco, ou Eleru;
mas algo que seja uma catarse catastrófica – eis homem-bomba: a palavra está (é esta).

Escrito do livro que finalizei em maio de 2006 e não publiquei (talvez ainda); à época fi-lo para concorrer ao prêmio de poesia do centenário do Mário Quintana (um dos homens que fazia poesia para o povo), mas ele (o livro) era produto de um experimentalismo pessoal (pessoal porque não devia ser novidade em nível literal) que penso não deve ter agradado muito aos jurados, até porque eu, na pretensão de arranjar lugar a todas as anotações que se cumulavam em mais de 16 meses, usei até o último minuto, o que prejudicou a eficácia da minha revisão. Após o resultado, que daria uns 8 barões mais a publicação do livro, eu neguei a obra. Mas a tinta estava ainda fresca, o bronzeado ainda estava vermelho: após um tempo ele me foi uma surpresa: talvez eu tenha esquecido algumas pretensões e consegui ver de fora: no final ele se parece como eu queria.

do efeito nulo ou anulador de fingir o fingimento

2008,setembro24,quarta-feira às 2:20PM | Publicado em joão-lírico | Deixe um comentário
Tags: , , , ,

eu vou fingir que não dou bola
daí eu vou fingir que não finjo
daí eu ou não darei ou darei bola mesmo

Próxima Página »

Blog no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.