beleza, uma questão de [fé]/[surpresa]

2008,dezembro19,sexta-feira às 10:16AM | Publicado em joão-lírico, vídeo | 8 Comentários
Tags: , , ,
Anúncios

ser favorito

2008,dezembro12,sexta-feira às 9:45AM | Publicado em alt+3 ou ♥, joão-lírico | 2 Comentários
Tags: , , , , , , , , , , , ,

Uma nuvem. Se pequena, nuvenzita.
Um barco, se pequeno, barquito.
Se for por pouco, e o pouco o for por pouco, um pouquito.
Uns favores da natureza:
existir tigres, existir plátanos, existir coisas sapientes, existir etc.
Mas um num pequeno pedaço – pedacito, portanto –
é que o é por o ser.
O caso, então, é ser um pequeno favor,
ser favorito.

 

palavra.imagem.pele

2008,setembro5,sexta-feira às 3:44PM | Publicado em 2º caderno, hojes | Deixe um comentário
Tags: , , , , ,

No Jô, ontem, três mulheres: uma linda, outra linda e outra linda: lindas.
Deu-me curiosidade.
Lançarei uma metáfora bagaça (brega) para explicar: plantar curiosidade é um dos adubos da beleza da mulher, como se a mulher fosse a terra do que planta (até não ficou tão brega).

Isso vale para tudo, mas neste caso considero o corpo. Ou melhor, considerando que o rosto faz parte do corpo, e assim sorrisos e olhos, a imagem, da curiosidade ligada à imagem (por isso o vestido é um das intervenções mais inteligentes na nudez).

Elas deram seu endereço na web.
Fui ao endereço.
Havia um banner delas no Paparazzo.
Fui ao Paparazzo.
Elas já estavam lá, todas, semi-nuas.

Se cedermos ao virtual e somente isso é tudo tão, tão fácil.
Mas a resposta do que é fácil é proporcional ao esforço.
“Oi, meu nome é João, sua panturrilha é tão bonita que eu moraria com ela” no virtual vira um comentário, na vida real não é bem assim. Aí de devermos aprender alguma com a gentileza do mundo virtual.
Mas não é isso: a imagem é somente a imagem e não o que representa, assim como a palavra é só a palavra, e não o que representa: porque o modo de mandar até uma cantada (que já é algo estranho) meio estranha (mais estranha ainda) é o determinante. Porque não são as palavras, mas a voz, a entonação, o momento, assim como é o cheiro, a pele, o movimento: claro que a ossatura (a imagem, as palavras) estruturam isso tudo, são um projeto – mas realizar relaciona-se a construir.
Porque mais que isso é o que damos ao que vemos – e aí entra nossa imaginação preenchendo o espaço que o virtual oferece. Levanta que eu corto, cruza que eu cabeceio, passa que eu chuto, alça que eu enterro.
O gozado (olha o abuso de frases com sentido ambíguo para cabeças maldosas (na conotação de mau tipo “dogão é mau”)) ainda é a permuta de funções: no caso da palavra a imagem pode fazer um papel de realização e a influenciar: voltando ao infame exemplo de cantada: muita mulher por aí ia se o Chico dissesse “tu é sempre assim ou tá fantasiada de gostosa?”.

Enfim, muita filosofia sobre o mesmo de sempre, então paro já.

***

es.tro¹
sm (gr oístros)
1. Entusiasmo artístico; veio, gênio, inspiração.
2 Época em que a fêmea está pronta a receber o macho.

oestrum/ oestrus/ estrus
sm
1. a regularly recurrent state of sexual excitability, heat.
2 inspiration, poetic inventiveness, talent.

Estro²
sm (gr oístros) Entom Gênero (Oestrus) de moscas no qual se inclui Oestrus ovis, espécie cujas larvas se desenvolvem normalmente na cavidade na¬sal dos carneiros; originária da Europa, intro¬duziu-se no Brasil.

oestrus,
do latim: abatão, a mosca das bestas (segundo meu amigo Filipe Rosseti, estudante de muitas línguas), aquela que pica e os bichos ficavam nervosos. Alguns dizem ser tão somente a mutuca.

***

Expointer, touros-riconceronte, porcos mansos, pessoal pegando trem na Luiz Paster a fim de evitar a estação Esteio lotada.
Um homem de gravata na TV dizendo que a pele da chinchila (que é muitíssima mais densa e macia que o cabelo humano – especialmente em relação ao meu – li na Wikipédia) é a mais valiosa do mundo, além de ser muito durável e reconhecível de longe…

E sabe no que a pele da Chinchila fica linda?
Na Chinchila.

***

Aquela coisa, né: as pegadoras (não porei isso de tag para não receber um ibope que não mereço), usando só uma pele de chinchila, dizendo pro Chico “dá para jogar uma bolinha de gude com esses olhos?” ele ia.

***

A pele na origem, a palavra na origem, a imagem na origem:
A palavra na imagem: a imagem na pele.

A mosca na velha, a velha a fiar.

sentir

2008,julho14,segunda-feira às 8:11PM | Publicado em crônica | 3 Comentários
Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Shyamalan, além de transformar árvore nalguma coisa ameaçadora, um professor secundário de tênis brancos em herói, transformou uma equação exponencial em terror.

E tendo saído do cinema acostumado ao medo, reagi com ele ao que seria de candura, de desânimo da alegria.

Pois foi como terror com trilha sonora aguda que rememorei das penas que me deram ontem, em dois momentos isolados da tela escura da televisão para folgar do sol bonito demais do dia claro.

Rapidamente:

Na TVE, o caranguejo pobre movia lentamente as patas e tirava uma formiga, depois voltava e tirava outra, enquanto neste hiato eram dezenas ou dezenas de milhares as que, após descobrirem um ponto fraco entre suas juntas, nas quais a carapaça não o salvava, na alcunha de soldadas lhe raptavam os membros sem lhe raptar a vida ainda.

No Faustão, num quadro de humor, um humorista tinha de atingir um índice num aparelho virtual ao qual chamavam risômetro, e os segundos foram se indo, o índice não atingido, ele gaguejou e pediu desculpa.

Usando da bizarrice e dos gêneros como arma para ambigüidade, mergulhamos numa experiência áudio-visual sensorial (ecos do domingo passado) de arrebatamento, seja pelo terror, seja pela esperança. E embora ríramos, embora nos comovêramos, pagáramos e batemos palmas também para sentirmos medo. Tudo é do espetáculo (no melhor sentido da palavra, no sentido de aplaudir em pé num teatro).

Mas do medo extrai tudo contíguo a ele: assim a coragem, a imperfeição. Nas tais transformações que falava, Manoj Nelliattu faz com que as esperança e pessimismo brotem da mesma terra.

Então sentir medo é bonito.

E de ver não ser o que se é por importância tanta a alguma coisa – gaguejar, ficar nervoso – como de ver algo só e vivo acompanhar a própria morte e mesmo assim tenta escapar, numa certa inocência, numa certeira impotência.

E por coisas assim a piedade normal e estranhamente nos repleta o espírito.

E tanto é espetáculo que a imagem isoladamente de um caranguejo submetido a um ataque coletivo de formigas é de fluidez tão harmônica que bela, se nos despirmos da amizade que fazemos com o caranguejo.

Então se a apego inútil enfeie a música do espetáculo, talvez seja um mal este cuidado, pois o mundo tem de ir para frente e aos vencedores as batatas.

E talvez assim se encha o peito para que dê alívio a esta pena que se dá, as notas altas de suspense, e o coração precisa ser mimado, sentir-se útil, quando o resto todo sabe que aquilo é assim mesmo.

Mas deixemos a selvageria aos animais.

Aplaudamos também os que fracassam.

Que no fim são espetáculos todos. São nomes (fracasso e sucesso, medo e coragem etc) que a gente fica dando. Que a gente fica girando a mesma moeda. O coração só se enche e se esvazia, e algumas coisas aceleram, desaceleram ou impedem este processo.

Bonito é sentir.

…E O OSCAR VAI PARA….

2008,fevereiro25,segunda-feira às 12:57AM | Publicado em 2º caderno | Deixe um comentário
Tags: , , , , , , , ,





roupagem

2008,janeiro26,sábado às 1:14PM | Publicado em crônica, femme | 4 Comentários
Tags: , , , , , , , , , , , , ,
.´`.
A moda está sempre a descobrir (no sentido de inventar, como já havia apontado Borges, antes mesmo de eu achar que eu havia visto essa relação, e depois de a palavra ter-se desmembrado do radical primitivo comum) uma nova maneira de deixar as mulheres bonitas. Os homens também, mas falemos das mulheres, pois a palavra bonita é mais bonita que a palavra bonito.

Paralelo básico: a arte. Sempre reinventando uma maneira de aplicar suas criatividades (ao ritmo da seta de Zenão).
Sempre lirismo, sempre criatividade, porque não talento atrás de cada manifestação, por mais que se queiram isentar do artista isso as constatações pós-modernas. Nunca falta filosofia, sempre sobra volúpia. De volta ao assunto (voltando ao assunto): elas, as que impuseram suas belezas e também as que deixaram à disposição da moda a mesma, estiveram sempre bonitas: com os cabelos curtos e calças centro-pê dos anos 80, os vestidões dos anos 50, os pêlos não tratados da idade da pedra lascada, os redtags com meias de futebol na pré-adolescência burguesa dos anos 90.

Blog no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.