{[(♥)]}

2009,fevereiro16,segunda-feira às 11:26PM | Publicado em alt+3 ou ♥, hojes, joão-lírico | 3 Comentários
Tags: , , , , , , , , , , , , , ,

{[(i♥u)]}
[(i♥u)]
(i♥u)
i♥u

{[( )]} / courage
i♥u / courage

Anúncios

paz_&_amor

2009,janeiro25,domingo às 10:21PM | Publicado em hojes | 2 Comentários
Tags: , ,

A VIDA NÃO É, MAS PODE SER UM SONHO
iv/i
iii/ii
ii/iii
i/iv

ao acaso o acaso

2009,janeiro5,segunda-feira às 4:10PM | Publicado em alt+3 ou ♥, joão-lírico | 3 Comentários
Tags: , , , , , , , ,


o
a
caso
tem
um
caso
de
amor
com
o
amor

ser favorito

2008,dezembro12,sexta-feira às 9:45AM | Publicado em alt+3 ou ♥, joão-lírico | 2 Comentários
Tags: , , , , , , , , , , , ,

Uma nuvem. Se pequena, nuvenzita.
Um barco, se pequeno, barquito.
Se for por pouco, e o pouco o for por pouco, um pouquito.
Uns favores da natureza:
existir tigres, existir plátanos, existir coisas sapientes, existir etc.
Mas um num pequeno pedaço – pedacito, portanto –
é que o é por o ser.
O caso, então, é ser um pequeno favor,
ser favorito.

 

alt + 3

2008,dezembro5,sexta-feira às 1:42PM | Publicado em alt+3 ou ♥, joão-lírico | 4 Comentários
Tags: , , , , , , , , , ,

copia-de-courage1

<courage>♥</courage> <coragem>♥</coragem>

o frio é fogo

2008,setembro8,segunda-feira às 10:38AM | Publicado em crônica, hojes | 3 Comentários
Tags: , , , , , , , , , , , , , ,
Eu não sou de dizer eu disse, mas eu disse: não subestimem o inverno gaúcho (o sul-rio-grandense pertence ao termo gaúcho). Não subestimem a porra do inverno gaúcho. Não subestimem o magnífico inverno gaúcho.

10ºC. Frio, ainda que os gaúchos digam que dez graus não é nada, ou seja, que são muitos, por estarem acostumados a bem menos, a pouquíssimos.
Mas o vento deixa o frio dopado, na conotação atlética do termo, de melhor desempenho.
Como se num repente estivéssemos todos andando em motos. De tal modo que uma sacola voando não era apenas uma sacola voando, era uma sacola voando e com frio.

O frio: ele fenixosamente retorna sempre. Setembrão e o bicho pegando. O bicho tremendo. Nevando em cidades que não se viam sob neve há dezenas de anos.
Mas punk mesmo foi o do ano passado, um inverso sólido, intenso e constante (quase que os três significam a mesma coisa) de oito meses – costume novamente gaúcho de valorizar a história dos invernos (“no meu tempo o mau tempo…”).

O frio gera conforto nas pessoas justamente pela sua ausência, ou melhor, pelo seu isolamento ou neutralização.
Proteger-se do frio, da chuva os tornam coisinhas fofas “que chuvinha boa, que friozinho p/ ficar dentro de casa”, quando em verdade eles são devastadores. Queimam. São lâminas, ambos. Ou todos, inclui-se aí o vento, do que eu originalmente falava.

Estima-se assim o desconforto que seria estar lá os enfrentando, quando numa briga covarde se apela a paredes e calefações, usando destes termos aplicáveis a crianças, falando em cãezinhos quando tratamos com bestas.
Pois apenas se supõe. Somente se conhece o frio – e sua gangue – quem (aqueles que) o(s) enfrenta(m) (jogar bola na chuva, no inverno, por um exemplo, para não me reportar a problemas sociais que me levariam a desviar severamente o assunto). Aí é o frio desgraçado, maldito.
Só assim se pode saber (saborear, a sabedoria da etimologia) seu poder.

Por isso há tanta dor de cotovelo. A verdade tem de ser vista por fora, o valor tem de ser mensurado pela ausência, pelo tamanho do vazio deixado.
Conhecer o amor é sofrê-lo.

amor e grande amor

2008,agosto25,segunda-feira às 7:41PM | Publicado em 2º caderno, gente | 5 Comentários
Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

O ator James Marsden é o ator daquele papel daquele cara que é foda, mas que se depara com um concorrante mais foda que ele. Seus adversários são feitos de aço, de adamantium, de descobertas adolescentes.
Ele é o homem comum que perde para o homem de cinema, mas que é uma opção mais segura que a aventura de cinema. Realidade e fantasia. Proibido é melhor etc.
Ou, nestas lições que o cinemão exagerando nos dá, a diferença entre amor e grande amor.
O verdadeiro, o cotidiano, a luta diária vs. a fantasia, o sonho, o que poderia ter sido.

Filmes: X-men, Superman, The Notebook.
Personagens: Jean Grey (Famke Janssen); Lois Lane (Kate Bosworth); Allie Hamilton (Rachel McAdams); Superman/ Clark Kent (Brandon Routh); Wolverine/ Logan (Hugh Jackman); Noah (Ryan Gosling); e a parte mais fraca do triângulo: James Marsden (Ciclope/ Scott; Richard White; Lon Hammond Jr.).

choro, dou-lho

2008,junho11,quarta-feira às 9:09PM | Publicado em joão-lírico | 2 Comentários
Tags: , , , ,

Chorar, ao inchar, aumenta o olho de quem chora.
Incha o olho de quem olha o choro, como,
ao se inchar, infla a dor de quem o inchou e olhou-o.

E embora o(s) olho(s) inchado(s) diminua(m) a visão
tampouco adiantaria o contrário:
o olho inchado não enxerga
o que não é choro ao seu redor.

12/6=2

2008,junho11,quarta-feira às 9:04PM | Publicado em alt+3 ou ♥, hojes | Deixe um comentário
Tags: , , , , , , , , ,

*Somente um comercial de um escrito antigo (2004) propício para um dia propício a quem quiser se romantizar (e romantizar-se vai muito além do buquê, é apaixonar-se pela vida, despeitemos a pieguice da frase isolado e adentremos na abundância de seu significado). Mas o que é para dizer é que, como 12 do 6 por causa da barra usada p/ data dividido dá igual a 2 (a menos que eu esteja muito desatualizado em matemática), sê um só neste dia (e em todos os outros), sê um só: tu mesmo, a despeito dele ou dela, que sendo um se poderá somar. E, sendo apenas um, há mundos só para dois, que com a outra parte só existe, onde quer que encontre e quando, uma vez por semana, uma vez na adolescência, todo santo dia já de manhã: deste mundo só os habitantes entendem. Aí sim, dois em um. Aí sim, dói sem um. Naquele mundo dói, a todos, que talvez o mundo se extinga, mas ao menos já esteve. Sê um, mesmo que para ser um preciso de outro. Ou dois ou um. Ou um ou outro.

a waltz for a night

2008,junho4,quarta-feira às 10:30PM | Publicado em alt+3 ou ♥, crônica, critica-se | 9 Comentários
Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Spoilers, spoilers p/ caralho (mas nada que atrapalhe quem gosta de cinema).

1. Before

Em tudo (e no cinema, que faz parte de tudo, como tudo) há partes que resumem os todos. A mão pode resumir um corpo todo; um dedo, um corpo todo; a íris, idem etc. Ou o código genético, para ser mais científico, menos verborrágico e menos repetitivo. Neste processo metonímico, um fotograma (como Rypley atrás de um espelho que reflete Dickie, ou Matthew substituindo Theo também no espelho em the Dreamers, a anamorfose na ponte em Indiana Jones e a Última Cruzada, e outros tantos exemplos mais eruditos), um plano (skatistas-ícaros em câmera lenta voando até a falência em Paranoid Park, como muito bem observou Luiz Carlos Oliveira Jr.), uma cena, um diálogo ou qualquer outro elemento fílmico pode resumir o filme todo. Em Before Sunrise, é uma história que Jesse conta a Celine, sobre o arrebatamento ao ver um bebê nascendo, sobre o encantamento ao o ver respirar pela primeira vez vs. a constatação de que, um dia, ele irá morrer: uma visão inocente (semelhante à que o gato Che de Celine tem diariamente de seu jardim), portanto pura, e por isso justa com ambigüidade das coisas: deleitosa, mas desde sempre melancólica por ser sabido seu fim. As duas verdades gritantes da vida (a própria vida (milagre) e a morte) sob um olhar puro.

Eu sempre havia ouvido falar muito de Before Sunrise. E pensava (mas não com tom desafiante) no que o filme poderia ter de mais. Afinal, visto por fora, pela capa do DVD (ou pelo cartaz, para quem teve a boa sorte de assistir num cinema) são somente duas pessoas conversando.

Falarei dos motivos depois, primeiro do impacto: para ficar somente no cinema (embora tudo pertença a tudo, repetindo sempre) vale lembrar a anedota que Hitchcock contou a Truffaut, que me não lembro se li um trecho na livraria ou se li num livro de Mamet (mas com certeza ninguém me comentou, pois eu li), ao falar sobre roteiros relativamente à direção: ele conta de um homem que sonhou um filme que lhe parece fascinante durante o sono e ao acordar e anotar a história do sonho recém sonhado escreve apenas “homem se apaixona por mulher”.

Então se me fez intuitiva e subitamente óbvia a consistência que Ítalo Calvino proclamaria, mas não pôde proclamar como queria, para o próximo (este) milênio.

Há uma série de elementos quase independentes que o cinema combina. Ele acontece devido mais à combinação e menos aos elementos em si (e digo todos os elementos: produção, elenco, fotografia, orçamento, impacto nas revistas de fofoca, argumento, roteiro etc.). A lógica acadêmica (acadêmica no sentido de Oscar) de um todo ser bom e suas partes serem destacáveis (melhor fotografia, melhor som etc.) para o qualificar (própria da indústria (linha industrial) nalguns casos) imita uma lógica que se usa na vida mesmo para diversas escolhas pré-estabelecidas (a famosa “preferência”), como gostar de morenas, ou loiras, ou ruivas, ou magras, altas, tímidas, ricas, inteligentes etc. Porém se sabe não haver fórmulas: o processo de estimação é mais sofisticado.

Evidentemente muitas vezes é possível enumerar os elementos que chamaram a atenção por cumprirem um padrão predileto. É como quando se conhece uma moça (ou um moço, para as moças, ou para os moços que gostam de moços): às vezes se acha o que se esperava, mas noutras um dos pré-requisitos para arrebatar é surpreender.

E para se surpreender os padrões não funcionam. Ou funcionam, justamente por oprimirem o quadro da surpresa, como se empurrassem molas. Exemplo: para alguns a música seria dispensável no cinema (e muitas vezes ela é puro enfeite mesmo), para outros até o som seria dispensável (Vinícius de Moraes defendia que a única forma de cinema era o mudo quando era crítico, apesar de ser amigo de Orson Welles), como o pessoal do Dogma 95. Mas como dizer que cinema não pode ter música, se num filme como O Quarto do Filho, de Nani Moretti, o seu uso estabelece uma significação narrativa que, tal qual um canhão de luz num teatro, foca o estado subjetivo dos fatos narrados, complementa a história?

Então pode haver um esquema para cada idéia. Então a fotografia, o roteiro, até a montagem (que seria o elemento mais cinema do cinema, segundo Kubrick, Glauber e seu mestre Eisenstein, para ficar só nos populares e paradigmáticos) subordinam-se ao filme como obra (conceito). As coisas se estendem de maneira honesta a partir do conceito (ou idéia e/ou anseio) que as lançou, como numa geração espontânea, ou, contrapondo esta idéia e inda assim parando no mesmo lugar, o cumprimento de um destino: elas arranjam seu espaço e tornam-se o que são.

E este é o caso deste projeto. O casal se afirma como idéia um ao outro; e o(s) filme(s) afirma(m) a idéia de casal, o encontro das duas idéias anteriores e a reação delas em tal estado – tudo então é justo com isso, os planos-sequência, os enquadramentos, a música, a montagem – uma intervenção mínima para os registrar.

Um amante se tornando como tal é um processo de existência paralelo. Os amantes vivem num mundo próprio, de espaço e tempo particulares, definidos pelo movimento de seus atores, que são vetores que delimitam tal universo. E todos estes universos incontáveis que existem no mundo são belíssimos. Os amantes todos vivem coisas que precisariam de filmes para registrar. Mas bastaria uma câmera. Então aí está o fino filmar: criou-se uma realidade para a registrar, com as intervenções justas. O cinema (um possuidor de câmera(s)) simulou e registrou.

Então, cinema puro.

 

2. Sunrise

“Eu me confesso meio incomodado de estar em casa véspera de feriado, mas este filme salvou-me”, assim começava meu esboço inicial.

E tal frase me veio à cabeça na cena já perto do fim, que há um homem tocando cravo, que eles vêem pela janela: é cedo, ele está só, e, por alguns segundos, ele fica só no fotograma, ganha seu espaço único na montagem: aquele momento é dele: a arte repletando todo o espaço, a arte lhe bastando por valer por tudo.

Emocionei-me. Então me perdoem as elucidações ingenuamente didáticas, tais como as interpretações simbolistas, as considerações extra-filme, o ponto de vista de espectador. O Amor é Filme, de Lirinha, é o que, numa linha menos reta, me vem à cabeça.

Pelo conteúdo cênico, esta foi a montagem ficcional mais próxima que eu já vi da inalcançável realidade de se estar embebido numa atmosfera de descobertas, de se conhecer e ser conhecido por outra pessoa, de se maravilhar com as combinações e contrastes, e de perceber estes todos combinações e aquelas todas contrastes; de uma levíssima condição de se exercer a criatividade quando ela vem, de exercer-se como se é, de fazer piadas após declarações de amor oblíquas, ou ubíquas, por estarem presentes em cada replica e tréplica, amalgamá-las por vezes, de se não ver o tempo passar quando ele passa mais que antes e menos que depois.

Lembrou-me algumas coisas vividas e certamente a outros também.

Pelos referenciais, a história pontua uma mudança de era (já no início do filme Jesse fala sobre a idéia que teria para um programa, algo semelhante a um reality show, Celine replica dizendo-lhe que simplesmente acompanhar a vida real seria muito chato – operação que acabara de se iniciar no filme) – uma era que passa a se voltar para a realidade como tal, sem idealizações, o “fantástico” do cotidiano.

Porquanto é por excelência o conto de fadas contemporâneo: heróis de dentes não tão brancos.

Das coisas como são (podem ser). De um lirismo mais pé atrás. Uma linguagem mais Jorge Macchi e menos Oliviero Toscani.

Menos Romeu & Julieta, mas rivalizando em intensidade com eles. Em intensidade e em teor: estão ali a magnificência, o mistério, a ambigüidade e todas as coisas cabíveis ao amor, mas demonstrados num cenário crível, cético, ordinário: contemporâneo, na conotação de ainda presente, que ainda não morreu: na conotação de vivo.

Um encontro ao vivo.

Registrou-se um encontro.

O encontro entre o garoto de 13 anos que sonhava em começar a fazer as coisas e a senhora no leito de morte, para a qual a vida é uma lembrança revivida – ambos olhavam para o meio do caminho, mas o americano não se vislumbrava sair do início; a francesa já se sentia no fim.

Um encontro entre a França e os EUA (muito mais rico que em The Dreamers, por exemplo, a despeito do apelo visual e referencial daquele filme). A França encanta-se, romantiza, critica, protesta. Os EUA são mais práticos. O poema dado pelo mendigo e a quiromancia, após uma atmosfera mágica que nos leva a crer que ambos creram juntos por alguns momentos, são investigados racionalmente por Jesse, contrapondo a paixão com que a francesa se lança: ela supõe magia; ele, um processo cínico.

E assim eles vagam como pontos de vista personificados sobre questões das quais não se pode estabelecer uma verdade.. dão dois pontos de vista para os mesmos fatos. Compõem ambigüidades.

A vida (num de seus estados extremos) sob olhar puro.

Também o velho e o novo mundo, o feminino e o masculino, o oriente e o ocidente (se pensarmos geograficamente é como os países se relacionam relativamente um ao outro).

Entanto um encontro como o símbolo Yin e Yang, com um com um pouco do outro também (Jesse não resistiu à roda gigante).

Encontram-se as desconfianças, as necessidades, a bagagem pessoal de cada um, e uma intenção mútua e abstrata de continuar, que se afirma acima de tudo isso, punge como desejo, solicita realização.

E, por fim, um final (embora não no fim mesmo) comparável ao final de Sociedade dos Poetas Mortos, ao seu ritmo, seu ritmo de afirmação de rebeldia em formato clássico; comparado ao final de Cinema Paradiso, ao seu ritmo, como ode à memória e saudade conseqüente, como ode à inocência irrecuperável; comparável ao jogo de cinema, de metalinguagem, de brindar o espectador pelo seu poder de saber mais que as personagens sabem ou manipular seu ponto de vista, tais quais os finais clássicos de Cidadão Kane (mesmo que a questão Rosebud seja um jogo lúdico – e também por isso virtuoso – ante toda o mérito formal) e Vertigo (de pensar a imagem como fonte de verdade e a partir disso tornar ambas relativas); ou comparável ao impacto som x silêncio, no sentido de contraste de formas, como o epílogo primeiro sensorial e em seguida completamente silencioso como não o foi o Filme Falado de Manoel Oliveira (a barbárie é som, silêncio; a civilização, palavra).

Quando o casal despediu-se (au revoir/ later) despediram-se de um tempo, um tempo que permitia cada um levar apenas lembranças e esperanças (como a foto não tirada por Jesse). Fosse depois de 1995 (a era que terminava), salvar-se-iam num mundo virtual, em MSN, blogs, correio eletrônico, e-mails, Skype, MySpace, Twitter, Flickr… talvez se inseririam num meio-termo ausência/presença, subvertendo a prova de resistência do tempo à chama, deixando-a apagar aos poucos, por não a alimentar nem a deixar consumir-se.

Salvar-se-iam talvez no mundo virtual, ou se matariam como acabo de dizer.

Salvar-se-iam do mundo que lhes deu apenas um dia, dum mundo de sonhos impedidos por aviões, trens, faculdades, residências e dessas coisas desse mundo ao qual se convencionou chamar real.

Por tudo isso, Before Sunset tornou-se uma questão mitológica, tão esperado quanto O Retorno do Rei pelos que usam orelhinhas de elfo para ir às estréias com filmes de elfos.

 

3. Sunset

c: Maybe we should meet here in five years or something.

j: All right, all right, five year- Five years! That’s a long time!

c: It’s awful! It’s like a sociological experiment!

“L’absence diminue les médiocres passions, et augmente les grandes, comme le vent éteint les bougies et allume le feu.”

François de La Rochefoucault

São-nos apresentadas as imagens dos lugares de Paris por onde eles passarão, invertendo o processo do filme passado.

Logo essa inversão de fluxo consecutivo eu concluo se dará também na história: se antes houve a construção primeiro para a lembrança depois, agora a esperança antes para a (des)construção depois.

(Prematuramente) pensei: a realidade irá os enfrentar e eles perceberão que o que tiveram foi singular por ter surgido de uma situação singular, pois o laço que os uniu por algumas horas brotou de uma atmosfera absurda em cuja somente qual sentimentos utópicos podem brotar (lembrar Romeu & Julieta para ser mais clichê). Seria a situação, não eles.

E a realidade fatalmente os enfrentou e a tal inversão fatalmente estava certa.

E eu errado: they’re for each other, ils sont fait l’un pour l’autre.

Esperança antes, construção depois. Sem des.

Eles já se sabiam, eles já se esperavam. E se concluiriam.

Eles (e consequentemente o filme) retornam ao encontro anterior. Até porque seu reencontro só se dá devido ao registro da história do encontro anterior (o pequeno best seller de Jesse). Até porque eles são o filme, a ponto de forma e conteúdo se fundirem: a história contada é influenciada pela forma como fora contada: eles discutem se tiveram ou não uma relação sexual (tão importante naquele contexto quando a traição de Capitu), referenciando o fato de isso não ter ficado claro para os espectadores pelo filme anterior. Questões pendentes que interessam tanto aos dois quanto a nós (aqui não sabemos nada a mais que eles, descobrimos as coisas ao mesmo ritmo) são visitadas e revisitadas. Põe o papo em dia, falam dos planos, do que fizeram, e ficam cada vez mais perto, cada vez mais à vontade, cada vez mais com vontade, cada vez mais os mesmos daquele dia (quase inteiro) em Viena.

A felicidade recôndita de se saberem infelizes longe um do outro é intermitentemente revelada (as mulheres fingem, diz Celine, e ela mesmo finge se importar com a felicidade alternativa de Jesse, finge não se importar com a nova despedida porvir). Diante desse jogo, eu, de início, se fosse Ethan Hawke, teria dito já ao encontrá-la que a curiosidade que um pelo o outro nutriam suportaria a ascensão do espaço e que se extinguisse quando o acontecesse valeria a pena. Se primeiro foi tomar um lanche, depois foi descer do trem, e passar a tarde, que virou dia, noite… o tempo aumentou e eles o ocuparam, mas não gasosamente (ocupando o espaço dado), e sim solidamente (crescendo junto), mantendo a intensidade. Então era um medo o de acreditar no mérito do absurdo do encontro sem acreditar que o absurdo como elemento missionário. Porém os minutos passam, e eles não trocam telefone, nem e-mail, blog, Flickr, Twitter.

Eles têm suas vidas. Cada qual tem seu cônjuge: Jesse tem filho e esposa, Celine tem um namorado. Mas eles são coadjuvantes. Suas vidas separadas são coadjuvantes. O agente de Jesse, seu motorista, o corredor que os ultrapassa na praça, os vizinhos… coadjuvantes, coadjuvantes, coadjuvantes. Até a avó de Celine é coadjuvante (embora seja a menos coadjuvante (e por isso mesmo uma das poucas que aparece como imagem individual – à semelhança do tocador de cravo do primeiro filme)). Há somente os dois. Há, no máximo, Paris, mas Paris é uma extensão de Celine (uma metonímia ao contrário, a cidade representando sua habitante, a despeito de “”Oh it’s so French. It’s so cute.” Ugh! I hate that!”), a qual se vai revelando ao mesmo ritmo da cidade: à medida que Paris se descerra, Celine o faz no mesmo ritmo. Vê-se de fora, pelo viés de turista, de estrangeiro, até aproximar-se de sua faceta íntima, seus bairros, seus lares, suas gentes. A cidade de Paris enquanto Pasárgada de Jesse torna-se real. À medida que se aproxima de casa, Celine se abre mais e mais. Abertas as portas de seu apartamento. Celine abre-se.

E lá (ali) ela canta. Ela imita oficialmente a atitude de palco de Nina Simone após a ter imitado o filme inteiro.

Em vez do beijo desesperado (a caída de, ainda que inofensivas, ainda que pequenas, máscaras) à porta do trem no filme anterior, uma valsinha (mais leve, mais aliviada, mais tranqüila que os violinos que encerra o filme anterior).

A sensação agora não é o desespero. A sensação é o alívio.

Valsarão, definitivamente. Foi tacitamente decidido, definido, definitivamente.

Tanto pelo título, tanto pelo conceito do filme anterior, tanto pela perene ameaça do final vindouro, resistia-se. Mas Celine quebra a regra principal do projeto: “você vai perder o seu vôo”. Um pequeno zoom, close-up nele, que sabia. Ela sabia. Eles sabiam. Nós, no fundo, também.

Definitivamente, usada linhas acima, pode significar que define, mas pode significar algo que não mais se alterará.

Pode ser uma situação que ficou definida (e vai durar), pode ser uma situação que foi definida (foi decidida, vale para o momento). E do final, do depois do final, não sabemos.

E o final nos diz isso. Definitivamente.

Porquanto, por excelência, um filme de amor: de como ele inevitavelmente se instala, de como ele abrange uma combinação de acontecimentos e buscas (ou de todos os elementos) que nutrem a e nascem da sua contigüidade. Da fatalidade com que se consorcia.

De como ele, sempre sob uma aura ambígua, para exigir coragem, instala-se como anseio guia, tal como um anseio vital, de sobrevivência, e obriga a busca oprimindo infelicidade a seus componentes; em suma, de como dá um jeito de fazer com que seus envolvidos dêem um jeito.

Em suma, de como ele inevitavelmente não é evitável.

Au revoir, later

m&n♥

2008,março12,quarta-feira às 2:44PM | Publicado em crônica | Deixe um comentário
Tags: ,

Nádia, doravante denominada n, que só queria quando criança ser modelo quando fosse adolescente e adulta, ou ao menos ter peitos volumosos e um bumbum na medida (na medida para as mulheres). Mas eis que como não tendo acontecido isso (como tantas coisas que não acontecem para as pessoas como as respectivas pessoas queriam) reclama ao seu amigo Maquisuel (nome de anjo, termina com el, doravante denominado m).

n: Meus peitos simplesmente pararam e minha bunda não pára. Alguém lá em cima tá querendo me foder (no mau sentido, já que os anjos (e mesmo Deus) não têm sexo, ou menos não se discute isso). Por outro lado, aqui na Terra os que querem me foder, dessa vez no bom sentido, acabam também o fazendo na versão má. Eu li dia desses na revista que eu tenho corpo pêra. Corpo pêra? Como pode isso…

m: A única coisa que eu queria ser era não ser uma coisa: careca.Mas eis que eu com 23b simplesmente tinha um buraco na cabeça que se aproximava cada vez mais da minha testa cada vez maior deixando cada vez menor o couro capilar que separava esses dois pontos de desmatamento.Mas daí eu penso: ah, eu sou dos bons, dos bombons – sem nenhuma análise pejorativa quanto à comestibilidade. Dos bombons que alguns gostam exclusivamente. E azar de quem só quer Sonho de Valsa. E quer saber, corpo pêra é a cara (ou o corpo) do Brasil.

n: E quanto ao aeroporto de mosquito, ou melhor, calvície?

m: Sabe o que eu fiz?

n: hã?

m: Nem te conto. Comprei um relógio de prata. E uma camisa do Milan. Agora eu tô que nem o Zinedine Zidane, a não ser pelo Milan.

(…)

n: Ficou bonito.

m: …

(…)

m: Sabe aquele lance de foder que tu falou antes?

n: Sei.

m: E aquele lance do bom e do mau sentido?

n: Sei.

m: Eu quero e não quero…

n:…

(…)

n: respectivamente?

m: res-pec-ti-va-men-te.

n: sem lado bom e sem lado ruim.

Duas personagens, inventei-as ontem à tarde. São gentes simples. Um dia eu os desenho e ponho junto aos outros desenhos.

dois

2007,dezembro22,sábado às 6:02PM | Publicado em alt+3 ou ♥, femme, joão-lírico | 2 Comentários
Tags: , , , , , , , , , , , ,

Blog no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.